03 junho, 2006

Há muito tempo que não volto a meu blog. No intervalo, estive hospitalizado por um curto período: fui submetido a uma cirugia para acabar com uma hérnia de hiato e o conseqüente refluxo. A cirurgia foi um sucesso; mas o pós-operatório foi um pouco sofrido. Imaginem um homem que sempre foi guloso, voraz, com um apetite de lobo, sentindo, de uma hora para outra, dificuldade de engolir até mesmo água. Tive de ser submetido a um novo procedimento, coisa comum nesse tipo de cirurgia: tataram-me com um balão esofágico. Isto significa que depois de sedado me introduziram um balão goela a dentro e o dilataram de modo a aumentar o meu campo de ingestão. Deu certo, felizmente. Mas o plano de saúde (como são canalhas os planos de saúde no Brasil!) não queria pagar pelo novo procedimento; tergiversou um bocado, retendo-me no hospital mais dias que o necessário, à espera de uma autorização que nunca veio. Finalmente, por pressão do médico, o hospital resolveu efetuar o procedimento e cobrá-lo depois do plano. Que agora vou processar. Não só por causa do atraso que me prejudicou no trabalho (tenho aulas a repor, orientandos a quem devo mais horas de conversa, projetos por concluir, um acúmulo de afazeres no Departamento etc.) mas principalmente por causa da dose extra de sofrimento. Apesar do excelente médico e do ótimo atendimento no Hospital Português, é sempre sofrida uma passagem dessas. Ficar atado ao soro é irritante; a sensação de perda de tempo, quase inevitável; e essa novidade de não saber engolir cria angústia. Eu tinha, porém, muito conforto: a companhia de minha mulher (que detesta hospital, coitada!) , de minha filha, de meu genro (que eram constantes), mais as visitas precisosas de meus irmãos e de amigos muito queridos, como Débora e Émerson, Xavier, Anselmo, Juju. Sou muito grato a todos. Mas quero falar aqui em especial de uma companhia magicamente confortadora: a de minha filha Helena. Ela, assim que chegava ao hospital se deitava numa cama (em geral na minha: somos bons transgressores) e dormia placidamente. Isso me fazia um bem enorme. Me passava uma sensação de profunda serenidade, dava-me um banho de bom humor. Helena tem um sono bonito, de que atesto o efeito terapêutico. Talvez seja um dom dos deuses, de seus quatorze orixás. Há pessoas de presença forte, que nem precisam de gestos ou palavras para marcar o mundo, preeencher-lhe os vazios. Às vezes, só de passagem, elas tomam conta de um lugar de um jeito que fica sendo definitivo. Seu silêncio tem música. A força de presença não depende de agitação. A gente às vezes vê isso no teatro, no cinema: um ator imóvel ou quase imóvel, toma a cena toda, mesmo que nela haja outros irrequietos. Pode haver nisso técnica dramática, mas penso que o principal é espontâneo, é uma qualidade da pessoa. A presença forte se mantém até mesmo depois que a criatura sai do lugar: seu brilho demora ainda um pedaço. E como Helena provou, atravessa a parede do sono. Quem está perto se sente fortalecido.

6 Comments:

Anonymous Fernando Lino said...

Oi tudo bom? Sou o Fernando, sou Portugues.Eu tb tenho uma hernia de hiato e gostava de ser operado mas nao sei os riscos, por acaso encontrei o seu blog. Depois de ser operado quanto tempo ficou em recuperaçao? A operação garante 100% de cura ou é preciso ter cuidados no futuro? è k eu tenho refluxo devido á hernia tal como voce tinha.Podia informar.me um pouco mais?
Obrigada pelo seu tempo

quarta-feira, 07 junho, 2006  
Anonymous Anônimo said...

Ja agr o meu e-mail é l1thium@netvisao.pt.
Os melhores cumprimentos
Boas tardes
Fernando

quinta-feira, 08 junho, 2006  
Anonymous Sabrina Martinelli said...

Ordep,
Não soube de seu calvário até lê-lo aqui. Fico feliz que tenha chegado ao fim (se é que tais coisas terminam...rsrs).
Que linda declaração à Helena!!
Fiquei realmente emocionada.
Um grande beijo a vc e a Regina

quinta-feira, 08 junho, 2006  
Blogger Drosofila said...

Ô, pai, que lindo! Você escreve um troço bonito desses e nem me fala! E justo pra mim que vivo cobrando atualização desse espaço! ^___^

Foi muito confortável confortar você - a cama do hospital era ótima. E venhamos e convenhamos, não é difícil te agradar. Seu esôfago podia estar meio fechado antes do balão, mas seu coração sempre foi aberto a toda e qualquer manifestação de carinho, mesmo as executadas durante o sono.

Quanto à forte presença independente de agitação, confesso que tenho mesmo. Herdei do mestre. ;)

terça-feira, 11 julho, 2006  
Anonymous Anônimo said...

CONQUISTE UMA MULHER HOJE E FAÇA ELA FELIZ!!

São mais de 26 Ebooks (livros virtuais) de técnicas em como perder a timidez, como conquistar uma mulher na balada, o que fazer com ela na cama, entre muitos outros. Confira a lista de livros agora!

http://www.conquisteagora.s9k.net

terça-feira, 18 julho, 2006  
Anonymous Anônimo said...

Oi Ordep não soube desse problema que você passou, mas fico feliz que já está tudo bem com você. Agora o que voc~e escreveu pra Helena... Meu Deus lindo demais. Fiquei com os olhos cheios de lágrimas. Que amor! Helena é linda, Marina é linda e Tia Regina também. Vocês formam A família. Grande beijo e vida longa pra nós! Felipe o homem da sereia ;)

terça-feira, 03 julho, 2007  

Postar um comentário

<< Home